Debate ao vivo discute importância dos movimentos culturais da periferia na pandemia

O debate vai reunir remotamente coletividades que atuam nos territórios da zona leste e será transmitido pela página do Fórum de Cultura da Zona Leste. Conscientes dos impactos gerados pela pandemia nas periferias, coletivos, articuladores culturais e artistas independentes têm atuado no atendimento das emergências, colocando em prática uma visão ampla sobre o papel dos coletivos.

Por Gisele Brito 23/04/2020 - 15:23 hs
Foto: Fórum de Cultura da Zona Leste
Debate ao vivo discute importância dos movimentos culturais da periferia na pandemia
Encontro de coletivos culturais da zona leste de São Paulo.

Nesta sexta-feira (24), coletivos culturais da zona leste de São Paulo vão transmitir, a partir das 19h, um debate ao vivo sobre a importância dos movimentos culturais em tempos de pandemia de coronavírus na página do Fórum de Cultura da Zona Leste.

Já confirmaram presença a Ocupação Cultural Mateus Santos (Movimento Cultural Ermelino Matarazzo), Love CT, LabCasa Cultural, Okupação Coragem (Resiste Quebrada), Espaço de Nós pra Nós (Batakerê), São Mateus em Movimento, Centro de Estudos Periféricos, Comitê Solidário ZL (Coletivo Paulo Freire). A conversa será mediada pela Sílvia Lopes Raimundo, do Instituto das Cidades na Unifesp Campus Zona Leste.

Em um primeiro momento, a doença parecia atingir principalmente moradores de bairros nobres da cidade, com renda suficiente para realizar viagens à Europa e Ásia. Mas, o vírus se espalhou rapidamente pelos territórios, e é nos bairros periféricos onde provoca mais mortes.

Para além dos problemas na saúde, a quarentena, principal medida de contenção do vírus, tem atingido a população mais pobre, impedida de fazer seus corres na informalidade ou dispensada de trabalhos precários.

Nesse cenário, os trabalhadores e trabalhadoras da cultura têm colocado em prática ações de solidariedade, alinhadas com uma visão ampla do que é cultura, praticada em diversas coletividades da cidade. Na zona leste, algumas dessas coletividades têm feito coleta, triagem, higienização e distribuição de alimentos e itens de proteção, como máscaras e kits para a lavagem das mãos nas ruas.

Com grande contribuição territorial e bibliográfica para o debate do fazer cultural e político nas periferias da cidade de São Paulo, o Fórum de Cultura da Zona Leste é uma rede de coletivos e artistas independentes, formada por sujeitas e sujeitos periféricos, que lutam de maneira permanente pelo direito aos meios de produção, fruição e acesso à cultura nos territórios periféricos.