Greve geral mobiliza moradores nas periferias da zona sul de SP

A reforma da previdência surge como uma das principais motivações que está no centro das discussões entre os moradores articulados para a greve geral nesta sexta-feira.

Por Thais Siqueira 13/06/2019 - 15:56 hs
Foto: Ronaldo Matos
Greve geral mobiliza moradores nas periferias da zona sul de SP
Encontro de manifestantes na Ponto do Socorro, na Greve Geral realizada em 2018.

Distritos como Capão Redondo, Jardim Ângela e Grajaú, localizados na zona sul de São Paulo representam territórios periféricos cidade que já confirmaram a articulação de movimentos sociais para mobilização de moradores, que irão ocupar as ruas nesta sexta-feira (14) durante a Grave Geral.

Segundo o articulador comunitário Rafael Cícero, a mobilização da Greve Geral tem por objetivo resistir a Reforma da Previdência e o desmonte do governo Bolsonaro. “Estamos dizendo não a essa Reforma, entendemos que essa reforma prejudica os trabalhadores, em especial os mais precarizados. A Reforma tem que atacar os privilégios dos políticos, dos militares e dos patrões.”

Muitos cartazes que serão carregados por moradores de diversos territórios periféricos da cidade trarão a frase “Não vamos trabalhar até morrer”, uma mensagem direta a proposta de profundas mudanças na previdência social.

“É desumano impor ao trabalhador essa reforma, que ele vai ter que trabalhar até morrer. A capitalização coloca em risco futuro dos trabalhadores, em especial os da periferia. Dessa forma, a periferia vai à luta pra dizer Não”, enfatiza Cícero, revelando a sua preocupação com a futura mudança que introduzira a capitalização da aposentadoria, forma de poupar recursos para ter rendimentos futuros.

Outro fator marcante que justifica a participação ativa dos moradores das periferias na Greve Geral são as taxas de desemprego no Brasil, que  subiu 12,7% no primeiro trimestre deste ano, atingindo cerca de 13,4 milhões de pessoas, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Localize os pontos de encontro na zona sul de São Paulo

No Jardim Ângela, zona sul da cidade, a concentração acontecerá no Largo de Piraporinha, com saída prevista ás 7h.

O mesmo horário está previsto para a concentração de moradores no Terminal João Dias e na Avenida Nações Unida, próximo a metalúrgica MWM, tradicional palco de atos protagonizados por trabalhadores de indústrias da região.

Às 9h da manhã, os moradores que se encontraram nos três pontos de encontro irão se reunir na ponte do Socorro, conectando assim, várias vozes de bairros diferentes, para manifestar a sua insatisfação com a perda de direitos.